8 de ago de 2009

-

O;)
Há algumas horas cheguei do show do Capital Inicial e daqui algumas horas estarei no Playcenter...
O show foi FODA!
Mais uma vez fiquei um tempo sem postar, mas dessa vez, assumo que foi preguiça mesmo.
Estou muito na bad...
Meu papagaio Kiko morreu... PQP! Ele só tinha 6 anos!
Foi muito, muito triste ter que enterrá-lo, mas prefiro não entrar em detalhes para não começar a chorar aqui... Mas garanto a vocês que minha amiga Tamires (que me ajudou a enterrá-lo) detalhou o enterro em seu Blog , para quem se interessar.

Pois bem, deixando meu Kiko de lado e relembrando o passado.

Ontem fui ao supermercado com meus pais e por um acaso, encontrei o menino que eu gostava na 3ª série (preciso dizer que eu já tinha bom gosto).
Foi tão engraçado cumprimentá-lo e não sentir aquele friozinho na barriga que eu sentia quando éramos criança e ele falava comigo, ou então, não ficar corada e não sair correndo quando ele me deu um beijo no rosto... Aí assim que ele foi embora, fiquei pensando como nós somos bobinhos quando criança. Assumo que na infância o amor é muito puro, mas é tão bobinho.
Lembrei também da primeira vez que ele falou comigo.
Foi bem engraçado.
Eu estava correndo e me exibindo na escola com o celular do meu pai (aqueles bem tijolos mesmo. Quase um telefone sem fio atual) e aí o Felipinho colocou o pé na minha frente e eu caí e derrubei o celular. Estava chorando sentada no chão quando ele me estendeu a mão.
Eu dei a mão para ele e saí correndo para a direção. Acho que eu deveria estar roxa naquele momento.
Quando estava sentada no corredor lendo o livro A Neve e a Formiga e esperando meus pais me buscarem, ele sentou do meu lado e começou a conversar comigo. Senti meu rosto queimando.
Tivemos um diálogo rápido, mais ou menos assim:
- Você está melhor? - disse ele - Não. Ta doendo muito... E meu pai vai me bater porque eu quebrei o celular dele. - Ah, então tá. To indo pra sala... Vê se melhora...Tchau!
Eu lembro que ele me deu um beijo no rosto e eu me enfiei no meio do livro. Não passou muito tempo e meus pais chegaram.
Na 4ª série, no meio do ano, quando eu ia mudar de escola, resolvi comprar um presente para ele. Comprei um boné no camelô e pedi para minha prima embrulhá-lo bem bonito. (ps: ele nem usava boné)
Foi tão engraçada a hora que eu entreguei. Ele estava se achando o máximo por estar na 5ª série/ginásio, então estava todo bonito jogando baralho no ''recreio'' e ignorava todos que eram ainda do "primário".
Já que não poderia falar com ele, fui à sala dele e deixei em cima da mesa dele com um coração de papel (muito mal cortado) escrito:
De Mayara para Wendell. Eu gosto de você.
Quando bateu o sinal, fui correndo para a minha sala com o coração saindo pela boca. Na hora da saída eu estava esperando minha amiga (que era da sala dele) e quando a vi, ela estava vindo com ele.
Quando ele chegou perto de mim para agradecer e me deu um beijo no rosto, eu saí correndo e em menos de 5 minutos eu estava em casa (minha casa era na rua da escola).
Depois desse dia, mudei de escola e só nos reencontramos na 7ª série, quando eu fui em uma excursão e ele também estava.
Eu ficava enchendo o saco do primo dele que estava ficando com a minha amiga, e aí o primo dele falou: Wendell, fica com a Mayara para ela ficar quieta!
Foi aí que eu percebi que ele estava no ônibus.
E sabe o que eu gostei?
Dessa vez quem ficou com o rosto corado não fui eu!